Seminário, Viseu, 11 de março.  ‘Arte Como Escultura social: Artes; Participação e Inclusão Social’ .

Seminário:

 ‘Arte Como Escultura social: Artes; Participação e Inclusão Social’ .

11 de Março de 2022, das 10.00h às 18.00h

Salão Nobre da Santa Casa da Misericórdia de Viseu

Largo Major Teles, n.º 1, 3500-212 Viseu

 

 

Um seminário no âmbito do  projeto internacional "AMASS: Acting on the Margins: Arts as Social Sculpture", financiado pelo programa de investigação e inovação da União Europeia Horizonte 2020 (acordo nº 870621) que pretende  apresentar os resultados das experiências do Projeto  feitas em Portugal , mostrar outros exemplos de projetos de artes participativas e discutir questões sobre o papel das artes na sociedade, nomeadamente das artes participativas em contextos de inclusão social.

 

PROGRAMA

9h 45m: Sessão de Abertura

Henrique Almeida, Diretor do Museu da Misericórdia de Viseu

Teresa Eça, Presidente da APECV

Ângela Saldanha, Coordenadora do Projeto AMASS em Portugal, APECV.

10h: Painel 1: Apresentação dos Resultados do Projeto AMASS (Acting on the Margins: Arts as Social Sculpture) ( moderação Ângela Saldanha)

Em Portugal, a APECV, no âmbito do O projeto internacional "AMASS: Acting on the Margins: Arts as Social Sculpture", financiado pelo programa de investigação e inovação da União Europeia Horizonte 2020 (acordo nº 870621), convidou quatro comunidades que, de algum modo, se enquadravam nos objetivos do mesmo para  desenvolveram um plano de investigação participativa baseada nas artes. As atividades baseadas em ações artísticas foram realizadas por investigadores, educadores; artistas e utentes do Centro Alexandre Correia, Associação de Solidariedade Social de Lafões em Oliveira de Frades; um grupo de pessoas desempregadas apoiadas pelo Centro da Paróquia São Salvador de Grijó; clientes do estabelecimento Vítor Fontes em Viseu e um grupo de crianças, jovens e adultos residentes no Bairro Social de Paradinha. Este projeto procura investigar o papel das artes nos desafios que a complexidade crescente da sociedade coloca, nomeadamente em franjas vulneráveis de lugares situados nas margens.

- O projeto Amass em S. Felix da Marinha (Carla Júlio, Abel Andrade)

- O projeto AMASS no Est. Vitor Fontes (Abel Andrade; Célia Ferreira;  Direção Técnica/Dep. De animação do EVF)

10h 40m: Intervalo

10h 50m:  Dueto Jeremias

11h: Painel 2: Apresentação dos Resultados do Projeto  AMASS - II ( moderação Teresa Eça)

- O projeto AMASS na ASSOL (Pancho Matias; Raquel Balsa)

- O projeto AMASS no Bairro Social  Paradinha  (Juliana Ferreira e Carlos Sousa; António Ramalho, Centro Comunitário da Caritas Diocesana de Viseu)

11h 30m: Visita à exposição PARACITY -  Museu da Misericórdia de Viseu

Pausa para Almoço

14. 00h : Green Performance Universal Band por  Hugo Américo Pereira Cardoso Vieira (Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) Centro de Investigação em Artes e Comunicação (CIAC)

14h15h: Artes Participativas, Educação e Inclusão (Moderadora Ângela Saldanha, APECV)

Exemplos práticos de projetos educativos e culturais através das artes em contextos de educação formais e não formais.

14h15: A democracia cultural como estilo. A estratégia do Plano Nacional das Artes.”  ‘Paulo Pires do Vale, Comissário do  Plano Nacional das Artes; Ministério da Educação e Ministério da Cultura, Portugal)

14h 35 : O Projeto AMASS na Europa, por Raphael Vella (Universidade de Malta)

O projeto internacional "AMASS: Acting on the Margins: Arts as Social Sculpture", financiado pelo programa de investigação e inovação da União Europeia Horizonte 2020 (acordo nº 870621), é coordenado pela Universidade da Lapónia (Finlândia) e tem como parceiros a Universidade Karlova (República Checa), a Universidade de Malta, a Universidade Hogskolan i Boras (Suécia), a Universidade Corvinus Egyetem (Hungria), a empresa PACO Design {(tália), a Universidade de Leeds (Inglaterra) e a Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual - APECV (Portugal). O projeto visa promover e investigar ações transformadoras, a partir das artes, com grupos minoritários ou desfavorecidos oriundos de lugares marginalizados, na Europa.

14. 55h  :Biografia artística: um dispositivo didático para promover a cura de jovens Yezidis no Iraque através da arte;  por  Albane Buriel, (Universidade do Québec, Chicoutimi); Sylvie Morais  (Universidade do Québec, Chicoutimi), Monique Loquet, Universidade de  Rennes.

A comunidade Yezidi que vive no Iraque sofreu genocídio em agosto de 2014 pelo grupo do Estado Islâmico. Muitas pessoas estão traumatizadas vivendo em campos de deslocados internos no Curdistão Iraquiano. Programas de educação não formal têm promovido atividades artísticas como meios para  ultrapassar traumas da juventude. Apresentaremos aqui um trabalho em curso em dois campos no Iraque tendo como abordagem a biografia artística no  cenário da engenharia didática colaborativa.  A nossa investigação  insere-se num  quadro educacional que  visa transformar as posturas e competências dos facilitadores,  criando dispositivos didáticos baseados em  biografia artística. Visa a narração através da arte, de experiências de vida individuais e coletivas (focadas na cultura, identidades, espaços) através de processos criativos. Esta pesquisa, baseada na teoria da ação didática colaborativa, busca processos didáticos cooperativos. Sob certas condições que iremos expor, a conceção e implementação desse dispositivo didático criado pelo coletivo poderia participar da transformação das práticas quotidianas dos facilitadores. Em particular, isso responderia à necessidade de inscrever referências biográficas para reconstituir a paisagem do que constitui a cultura dos jovens Yezidis.

15h 15: #NarcissusMeetsPandora: um projeto inclusivo sobre os retratos nas redes sociais, por Inês Azevedo e Joana Mateus (Casa da Imagem)

A utilização das redes sociais é uma realidade presente no nosso dia a dia, transversal a faixas etárias e a locais geográficos. Pode ser um espaço de liberdade e de expressão individual e coletiva, mas será assim para todos? Iremos apresentar um projeto europeu, de âmbito artístico e educativo, que surgiu da necessidade de olhar para as redes sociais e para o modo como os adolescentes e os jovens se retratam com uma perspetiva crítica e integradora daqueles que tendem a não estar representados ou a pertencer a estereótipos que definem, a priori, o modo como os vemos ou como são invisíveis.

 

15h 45: Intervalo

16h : Mesa Redonda: Artes Participativas e Inclusão Social

Moderação: Ramiro Figueiredo

Odete Paiva (Museu Nacional Grão Vasco), Henrique Almeida (Museu da Misericórdia), Rita Antunes (Centro de Arte Contemporânea Quinta da Cruz), Felisberto Figueiredo (Cáritas Diocesana)

Debate sobre os contributos das artes participativas  nas comunidades. Que  tipo de projetos são adequados às necessidades das comunidades? Quais os temas mais relevantes? Quais as metodologias mais indicadas? Como criar parcerias e articulações entre a sociedade civil; os municípios, as instituições culturais; as associações que trabalham com comunidades desfavorecidas; os educadores artísticos; os técnicos sociais e de saúde e os artistas?

16h 45: Sessão de Encerramento

Adelino Costa, Provedor da Santa Casa da Misericórdia de Viseu

Teresa Eça, Presidente da APECV

Fernando Ruas, Presidente da Câmara Municipal de Viseu

Rosa Monteiro, Secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade

 

 


  

 

Contactos da Organização:

APECV: Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual

Quinta da Cruz. Estrada de São Salvador, 3510-784 São Salvador, Viseu  Portugal

Email: apecv@apecv.pt  Pagina web: http://www.apecv.pt/

 

 

 

 

 

 

Share this post