Skip links

Conversas com Bordalo

Registo: CCPFC/ACC-117158/22

Duração: 25 horas

Acreditação específica para professores dos grupos 240, 530, 600 e 999

Regime de frequência: Presencial

Modalidade: Curso de formação

Datas: 11, 12 a 25 e 26 de novembro de 2022 (Turma encerrada).

Localidade: Odivelas

Formadora: Augusta Gaspar

Área de formação: Prática pedagógica e didática na docência

Preço: Associados da APECV: 60 euros; Não associados: 100 euros

Inscrições

Objetivos a atingir:

O Objetivo deste curso é qualificar os professores para os habilitar para o ensino das técnicas e da manipulação das possibilidades expressivas da cerâmica dando visibilidade ao património e a sua multiplicidade de conhecimentos, assim como o incremento da qualidade e da abrangência do ensino da cerâmica nas nossas escolas.

Mobilizar conhecimentos para a intervenção em contextos concretos; Entender a cerâmica nas suas várias dimensões, como fenómeno físico-químico, como prática, enquanto meio expressivo; Pretende-se promover o conhecimento das artes tradicionais, potenciando a consciência da identidade e a revalorização dos valores históricos, culturais e sociais. Conhecer os procedimentos técnicos e adquirir experiência prática da cerâmica; Promover aprendizagens criativas; Fomentar a criação de clubes e de ateliers de cerâmica nas escolas.

Conteúdos da ação:

Visita guiada ao Museu Rafael Bordalo Pinheiro em Lisboa; Análise e criação de imagens para reprodução de figuras, críticas da sociedade do passado ou do presente; Abordagem expositiva das técnicas e procedimentos para criação de produtos cerâmicos em sala de aula (características das pastas cerâmicas, branca e vermelha, decoração com óxidos e fritas cerâmicas); Produção de objetos tridimensionais em argila; Reprodução em molde de alguns elementos com utilização de gesso cerâmico; Procedimentos e principais cuidados na utilização da mufla cerâmica; Decoração com aplicação de vidros nos objetos realizados; Reflexão em grupo sobre o trabalho desenvolvido e apresentação de relatório da atividade.

Metodologias de realização da ação

Curso com sessões teórico-práticas, as sessões teóricas terão caráter expositivo com recurso ao Serviço Educativo do Museu Bordalo Pinheiro e bibliografia especializada.
1ª–Visita ao Museu Bordalo Pinheiro em Lisboa. Sessão teórica de caracter expositivo com recurso a bibliografia especializada para análise das imagens (caricaturas e crítica social) e objetos do universo Bordaliano. Reflexão crítica com vista ao desenvolvimento das tarefas; 2ª–Sessão prática, modelação de diferentes argilas; 3ª–Reprodução em molde de alguns elementos com utilização de gesso cerâmico; 4ª–Sessão prática, decoração cerâmica, utilização de vidros de cores tradicionais; 5ª–Sessão prática, decoração cerâmica, utilização de vidros de cores tradicionais, desenvolvimento dos trabalhos; 6ª–Sessão prática, técnicas de enfornamento e o manuseamento dos materiais. Reflexão critica sobre o trabalho desenvolvido; 7ª–Entrega dos objetos realizados e do relatório individual de avaliação.

Regime de avaliação dos formandos:

Relatório final individual, participação e trabalhos realizados durante o curso. De acordo com o regulamento interno do CFANAPECV do sistema de avaliação dos formandos docentes, a escala é de 1 a 10. Os parâmetros de avaliação são os seguintes: 1) assiduidade; 2) trabalho realizado; 3) participação; 4) relatório individual.

Bibliogafia fundamental:

França, José-Augusto, (2007), Rafael Bordalo Pinheiro – O Português Tal e Qual, Livros Horizonte, Lisboa;

Pinheiro, Rafael Bordalo (2005), O Calcanhar d´Aquiles, Frenesi ed., Lisboa;

Leite, Ana Cristina, Anabela Carvalho, (2005), Guia do Museu Rafael Bordalo Pinheiro, Pelouro da Cultura, Camara Municipal de Lisboa;

https://museubordalopinheiro.pt/ acedido em 25-07-2022;

http://aarteemportugal.blogspot.com/2012/11, acedido em 25-07-2022.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência na web.