Inauguração e workshop com os artistas dia 16 de fevereiro de 2019 pelas 15.ooh 

Visita Aberta com Angela Saldanha dia 13 de abril de 2019 pelas 15.ooh

DESCARREGAR O CATÁLOGO DA EXPOSIÇÃO

 

A errância como ação iniciática da humanidade tem seduzido os passos daqueles que ousam.

A antropologia da experiência convida-nos a esse deambular que ultrapassa a simbologia do corpo errante, que intenta ser mais do que os entrelugares onde vagueia.

A transcendência do passo numa conversa com o caminho eleva, aqueles que erram, a um lugar transitivo, onde convive (em justaposição/união), na sua transurbância, a vida como arte. Uma cinestesia da experiência em eterna relação com o que nos é avito.

Da errância nasce o novo, a audácia do arquétipo ancestral, daquele que quer encontrar o caminho pessoal para avançar, na construção de uma cartografia, sempre efémera, onde os metamorfismos são o movimento constante entre o que nos é interno e o que nos é externo.

 

“Errare” é a elevação do verbo mapear às constantes experiências contemporâneas, onde a viagem é a vida em poesia - uma contadora de histórias, que sussurra os nossos desejos de caminho.

José Ferreira, com um olhar incisivo sobre as dicotomias daqueles que necessitam de partir para uma metaconvivência, revela-nos uma narrativa de encontros e desencontros com o outro, com a estrada, com o silêncio, com o desejo e com o anseio de Ser. Uma penetrante conversa com o eterno desconhecido, na qual todos nos revemos. Imagens – poema, confessionários, que transformam aqueles que erram no seu próprio caminho.

O coletivo “1686” relata os passos de cada um dos seus intervenientes. Caminhos repletos de dúvidas e hesitações rodeados da paixão pela errância, de buscas sem imposições. Uma assunção do entrelugar, espaço em movimento, ao desafio de conforto com aquilo que nunca termina. Um ímpeto sobre o novo, onde a arte e a vida não se encontram, mas vivem num mesmo lugar – na eterna e necessária errância.

“Wreading Digits” trazem a pedra, não só o suporte que nos permite o movimento, mas aquilo que nos inspira a continuar. A surpresa da obra, sempre nova, convida à coautoria por aqueles que a encontram e que, pelo poder da palavra, seguem outros percursos.

 

 

Nesta exposição aspiramos viagens coletivas, novos olhares sobre o dia a dia. Uma partilha de encontros nómadas, de uma forma de arte que vive na humildade do caminho.

Uma história em que revemos novas paisagens, perpetuamos pegadas e reivindicamos “a vida como obra de arte”.